top of page

Puxaram aos pais: A família enquanto instituição cultural  



Já abordei este tema em outros escritos, porém, quando assisti ao espetáculo “Gostava Mais dos Pais”, com Bruno Mazzeo e Lúcio Mauro Filho, adveio-me perspectiva adicional para perceber a família não apenas como base da sociedade e ambiente (idealizado) de afetos, mas como instituição cultural. 


Uma forte evidência jurídica disso consta no artigo 26, item 3, da Declaração Universal dos Direitos Humanos, de 1948, segundo o qual, “aos pais pertence a prioridade do direito de escolher o gênero de educação a dar aos filhos”, do que se extrai a ideia de herança, não somente a patrimonial (que é incerta, considerando que nem sempre há bens a partilhar), mas sobremodo cultural, praticamente compulsória, pois todas as pessoas que convivem num seio familiar aprendem a mesma língua, os mesmos costumes, os mesmos valores ou, numa expressão-síntese, a mesma cultura. 


É bem provável que esse poder cultural da família seja o último aspecto remanescente daquilo que Aristóteles chamava de “poder doméstico”, tão amplo que permitia até mesmo o sacrifício da vida dos filhos, em nome de valores então considerados maiores, como fez o mítico Agamêmnon em relação a Ifigênia, para se desculpar com a deusa Ártemis; ou como poderia ter feito o bíblico Abraão com Isaque, não fosse a intervenção cinematográfica do anjo Gabriel que, na última hora, revelou ser o sacrifício demandado apenas um teste de fidelidade feito por Jeová. 


Com o surgimento dos Clãs, das Tribos, das Cidades-Estados e, finalmente, do próprio Estado, os poderes da família foram se diluindo, uma vez que no seu âmbito reconheceram-se, paulatinamente, direitos individuais específicos aos seus componentes, como os relativos à mulher, às crianças e adolescentes e à pessoa idosa. 


No âmbito da Constituição Brasileira de 1988 a situação da família é bem ambígua, dado que a ela são atribuídos mais deveres que direitos, estando entre os primeiros o da educação dos filhos, o do amparo aos seus idosos, deficientes e presos. Dentre as prerrogativas, a proteção às suas pequenas propriedades, o amparo assistencial e a possibilidade de defesa contra as atividades comunicacionais que contrariem suas convicções e valores, desde que sejam considerados legítimos. 


Como facilmente se vê, a família perdeu poder em todos os âmbitos, sendo que um deles, embora também abalado, persiste perceptível, que é o poder cultural, porém, com curiosas nuances quando sai dos seus aspectos antropológicos e genéricos e se vincula com a tentativa de entrega de um espólio cultural personalíssimo, como é o caso das técnicas e do talento artístico, possuidores de facetas distintas, a depender de uma perspectiva de indústria cultural ou de cultura popular, conforme será visto adiante. 


Aqui se retoma a referência ao espetáculo apresentado pelos filhos de Chico Anysio e Lúcio Mauro, cujo título (mencionado no primeiro parágrafo) é revelador da dificuldade enfrentada por dois homens de talento, já maduros, e que, mesmo após a contagem de uma quantidade significativa dos anos, lutam para ver reconhecidas as próprias qualidades artísticas, obrigando-os a fazer piada sobre suas filiações, como forma de enfrentar a questão. 


Na seara da indústria cultural (onde transitam os dois artistas), que se rege preponderantemente por critérios mecânicos e individualistas, pode-se perceber a regra de que o reconhecimento do talento dos filhos é inversamente proporcional ao dos pais, como se fossem herdeiros culturais de segunda categoria e ferrenhos concorrentes dos genitores. 

No âmbito da cultura popular, contrariamente, por ser mais orgânica e, portanto, coletivista, os filhos que seguem a atividade dos pais não são vistos como pessoas que com eles disputam, mas como aqueles que merecem o reconhecimento de levar a herança cultural de seus ancestrais às novas gerações, ou seja, agregam ao próprio fazer cultural aquele recebido dos pais, na forma de ensinamentos. 


O drama de Bruno e Lucinho, curiosamente externado na forma de comédia, resulta do estúpido e preconceituoso fato de que seus pais trabalharam para empresas que exploram economicamente a atividade artística; se tivessem permanecido em circos, bares e praças, privando milhões de pessoas de suas marcantes atuações, talvez o espetáculo que apresentaram fosse designado de “Puxaram aos Pais”. 

 

Humberto Cunha Filho, Professor de Direitos Culturais nos programas de graduação, mestrado e doutorado da Universidade de Fortaleza (UNIFOR). Presidente de Honra do IBDCult – Instituto Brasileiro de Direitos Culturais. Autor, dentre outros, dos livros “Teoria dos Direitos Culturais: fundamentos e finalidades” (Edições SESC-SP) 

130 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page